31.12.13

Reflexão de Fim de Ano

Deus permitiu que eu vivesse exatamente aquilo que eu precisava viver neste ano. E, feliz ou não com cada dia ou situação pela qual passei em 2013, quem sou eu para contestar ou questionar Aquele que detém toda sabedoria do mundo? Foram dias de alegria, de intensa felicidade - daquela que a gente torce para que nunca tenha fim. Mas, fui premiada também com dias terríveis, dias de tristeza abismal que me fizeram sentir o coração debaixo do sapato, num poço escuro sem corda ou escada para resgate. Não contei quantos foram os nebulosos-longos-dias-tristes, pois, deliberadamente, Deus me concedeu também a graça da superação. Com naturalidade, o tempo me devolveu a fluidez, pois a vida é assim, muito parecida com um rio que segue seu curso. Além disso, tenho plena consciência de que os dias felizes foram mais numerosos que os tristes; a diferença é que esses são tratados como algo tão óbvio e rotineiro, meio que "com a obrigação de serem assim", que, consequentemente, são menos valorizados e acabam passando despercebidos. Chorei quando necessário - o choro é uma válvula poderosa de escape, um canal potente de escoamento. Ri sempre que pude e me esforcei para sorrir quando achei que não conseguiria. Das quedas, levo as cicatrizes e as lições; das conquistas, a certeza de que sou capaz de muito mais do que às vezes acredito ser. Com gratidão e humildade, aceito o que me foi concedido nesses 365 dias. Aqui cheguei, sobrevivi, passei de ano. Estou pronta para continuar o percurso do meu rio-vida, começando a contagem de um novo ciclo. O que virá, não sei, mas quero ter a honra de viver 2014 e continuar escrevendo a minha história.

19.12.13

O Que Penso Sobre as Cestas de Natal

Do indefectível panetone ao super natalino torrone, toda cesta de natal deveria conter somente - e tão somente - produtos de primeira (íssima!) qualidade. Isso mesmo. Vejo o sacrifício a que se submetem os cidadãos brasileiros para carregarem aquelas caixas incômodas e pesadas, geralmente em horário de intenso movimento coletivo, em metrô e ônibus lotados, no dezembro escaldante de nosso país tropical. Fico imaginando esses mesmos cidadãos chegando em casa exaustos, suados, abrindo a caixa-monstra e se deparando com farinha de rosca, farofa, azeitonas mais duras que seus próprios caroços, um panetonezinho de uma marca diabo qualquer e uma garrafa de Sidra Cereser. Pasmem! Senhores empresários, presenteiem seus funcionários com um bom Bauducco 1kg - sim, 1kg -, afinal, as famílias costumam ter, em média, de 2 a 4 membros, e o que os senhores vão economizar excluindo os demais e totalmente desnecessários itens, dá para agradá-los com um Bauduccão. Não cometam o ultraje do excesso, por favor, pois quase nunca quantidade é sinônimo de vantagem.

5.12.13

Das Pobrezas

ser pobre, tudo bem, não é defeito (é azar),
mas ter cabeça e atitudes pouco favorecidas, ah, isso não dá. 
a pior das pobrezas - e a única imperdoável - é a de espírito.

4.12.13






agora estou desacompanhada.
sozinha eu estava já fazia tempo.


2.12.13

tenho vontade de deixar por um tempo os esmaltes, saltos, saias, escova nos cabelos, internet, celular, chuveiro quente, cama com lençóis brancos. 

vontade de fazer algo mais rústico, selvagem, como uma trilha, um daqueles famosos caminhos disso ou daquilo, acompanhada por chuva, vento, tombos e arranhões. 

interessante, mas enquanto escrevia as linhas acima, como se eu tivesse tido um lampejo, um clarão repentino, um momento de lucidez ou ouvido uma voz me dizendo "cai na real, minha filha", a vontade passou. 

vamos ao shopping?

28.11.13

Confissão

às vezes, confesso, algumas coisas me fazem falta.
não que eu as queira de volta -
se é que me entende.

18.11.13

depressão pós parto -
partir me parte.

8.10.13

Eu, hoje

Eu, hoje, acordei doendo.
E doendo estou.

Eu, hoje, acordei do avesso.
Hoje não sei quem sou.

12.9.13

Das Multidões

Sempre comparo multidão com rebanho. Manada esbarrando-se, respirando o mesmo ar, espremendo-se, estreitando-se, convergindo para uma porteira, sendo afunilada, guiada por seu senhor: um ídolo, uma causa, uma rotina, um objetivo. Escravidão travestida de liberdade.

27.8.13

Não há maldade que perdure, ilusão que não seja dissolvida, lágrima que não seque. 
O bem sempre vence o mal - mesmo que demore um pouco, um muito, uma quase eternidade.
O tempo se encarrega de ajeitar as coisas.

Un Bolero Que Te Salve La Vida by Descemer Bueno - www.musicasparabaixar.org on Grooveshark

22.8.13

Ele jura que é sincero.
Ela finge que acredita.
E os dois seguem assim -
Acreditando que enganam um ao outro,
Enganando cada qual a si.

1.8.13

Que a paz se instale, que a alegria floresça, que o amor perdure.
Porque viver não é apenas existir. Porque existir não é apenas respirar.

(foto: arquivo pessoal - Florianópolis/SC/Brasil)

A Thousand Years by The Piano Guys on Grooveshark

31.7.13

Infância de Antigamente


Pés de árvore, pés no chão, bolhas de sabão.
Fruta fresca, bicho na goiaba, pastel na feira e garapa.
Corda, boneca, cantiga de roda, amigos reais - ainda não cogitávamos os virtuais.
Banho de chuva, de mangueira, banho quente na banheira.
Medo do homem do saco, do bicho papão, da bruxa malvada, da escuridão.
O dente caia ou era arrancado por linha - 
E mesmo assim, banguelas, sorríamos com a língua na janela.
Escola era para aprender, mesa para comer.
Nossa casa era um lar. Tudo tinha seu lugar.
Só não lembro com exatidão, o que me deixava mais contente:
A barra de chocolate ao leite ou o pote de sorvete.

24.7.13

Livrai-me, Senhor

da fúria da tristeza, da amargura da solidão.
da inveja, da inércia, da dor da desilusão. 
da avareza daquele que não estende a mão.
da maldade, da frieza que endurece o coração.
da cegueira do egoísta que sempre pensa ter razão.
da desventura de passar pela vida e não vivê-la com paixão.

22.7.13

de passado vivem os museus
de história, os livros que contam o que aconteceu
o que foi, era; o que era já morreu

que os olhos mirem o futuro
 e o coração almeje o que há detrás do muro
e que os pés se desprendam do porto, já que nada nos é seguro

18.7.13

Palavras

Leio revistas de trás pra frente. Leio capa, contracapa, dedicatória de livros. Leio bula de remédio, informações no frasco do shampoo. Gosto de quadrinhos, de clássicos, crônicas, poesias, entrevistas. Sorrio com textos alegres, choro com os tristes, vibro com os inteligentes. 

Leio um pouco de tudo e de tudo um pouco.

Eu amo palavras.

17.7.13

"Como são admiráveis as pessoas que nós não conhecemos bem." 
|Millôr Fernandes|
Sim, Millôr, verdade. Essas não acordam ao nosso lado com mau hálito e descabeladas. Não expõem suas fraquezas, não deixam à mostra o pior de si. Falam baixo, são dóceis, sorriem e gesticulam graciosamente. De fato, são encantadoras. Praticamente perfeitas.

10.7.13

Rascunho

Tenho um sem fim de defeitos, uma série de falhas a serem trabalhadas.
Ainda assim, gosto do que vejo, pois sou possibilidades - pedra bruta a ser lapidada.
Sou rascunho de mim mesma, de uma história inacabada. 

21.6.13

13.5.13

chorar é diluir a dor em água e sal.

7.5.13

esse vento de outono me deixa suspensa em devaneios. 
tão bom ter os cabelos movidos pelas suas carícias!

3.5.13

Podia Ser

ao pé do arco, da torre. 
sentada num café, apreciando a Gioconda.
à margem do Sena, do Saint Martin.
degustando um rouge, uma Perrier.
caminhando sozinha, perdida -
ou (quem sabe?) abraçada a você.

agora? nesse momento?
não, não estou lá -
mas bem que podia ser.

17.4.13

hoje pintei os olhos
para que eu segure as lágrimas 
e o rímel não borre



8.4.13

às vezes precisamos enterrar alguns sonhos para tentar viver outros.


4.4.13

Fácil & Difícil

Criticar é fácil, basta abrir a boca e tecer o achismo. Colocar-se no lugar do outro, viver suas lutas, sentir suas dores é que é difícil. 

Difícil é refletir antes de abrir a boca, perguntar-se se o que tem a dizer acrescentará. É difícil pedir licença para falar, e, mais ainda, conter-se diante da possibilidade de machucar.

É simples dizer o que se pensa, o que vai pela cabeça. É muito fácil falar sobre o que o outro fez ou deixou de fazer. Difícil é segurar-lhe a mão, oferecer-lhe o ombro, ouvir-lhe a voz ou respeitar-lhe o silêncio.

É muito simples falar sobre o que se vê, o que está exposto. Difícil é entender que nem tudo é como parece ser, que um ponto de vista nunca é igual a outro.

É simples achar que se tem o direito de mergulhar na vida alheia. Difícil é entender que todo mundo tem seu próprio abismo, seu mundo impenetrável, sua barreira.

Fácil é bancar o mestre, o guru, Deus, juiz ou amigo do peito. Difícil é ter discernimento, reconhecer as próprias deficiências, saber qual o limite entre a ajuda e a inconveniência.

22.3.13










das crianças eu queria a inocência,
a pureza de viver o agora.
desconhecer a existência dos problemas,
de toda dor que no peito aflora.

19.3.13

Deitando a Consciência

Mas a minha consciência, essa precisa estar tranquila. Não pelos outros, mas por mim - pela minha saúde e integridade física e emocional. Para que eu deite à noite e um bom travesseiro me seja o único ansiolítico necessário.

18.3.13




e mesmo os fortes têm momentos de fraqueza.
e mesmo os que dão o ombro precisam de colo.

13.3.13

Homens Néscios


É tanta maldade, tanto egoísmo, tanta arrogância. É imensa a futilidade, a vulgaridade e o vazio que assola cada vez mais o homem. 

As universidades estão cheias, as livrarias vendem como nunca. O ser humano está cheio de conhecimento, cada vez mais graduado, transbordando informação. 

De que adianta essa busca insaciável pelo saber, essa batalha diária para maiores e melhores conquistas, se o essencial - o amor e suas nuances - está cada vez mais em desuso? De que vale tanto investimento em nós mesmos, se não conseguimos enxergar o próximo, se não conseguimos exercer o papel de "ser inteligente" - acessório que deveria diferenciar-nos das outras espécies - com paz, benignidade, mansidão, domínio próprio? 

Ai de nós, seres humanos! Ai de nós que acreditamos na mentira das aparências, que julgamos tudo pela capa - segundo nossos olhos míopes - e, convencidos e orgulhosos de nossos feitos, seguimos acreditando em nossa constante evolução.

Sobra-nos conhecimento, mas falta-nos sabedoria; e é esse desequilíbrio a causa maior de nossa eterna desavença com a genuína felicidade.

7.3.13

Chuva de Março

3109484913_1_3_hlip2uim_large
Chove com abundância. Chuva típica de verão.
Melhor seria essa chuva no mato - 
Aroma de campo molhado, de terra subindo do chão.

1.3.13

Eis o Grande Desafio

Apesar dos problemas, das dificuldades enfrentadas no decorrer da vida, sempre me recusei a assumir o papel de vítima e transformar-me numa pessoa infeliz, amargurada. A vida, como disse o poeta, exige da gente coragem. Sobreviver é muito fácil, basta pulsar o coração; viver - eis o grande desafio.


27.2.13

Passamos a vida toda desejando um monte de coisas - profissão de sucesso, amor que perdure, filhos que brilhem, inteligência invejável, saúde imbatível, dinheiro que compre e que pague, influência, status, e por aí vai - a lista dos desejos humanos é infinita.

Certas coisas conseguimos fácil, algumas com algum grau de dificuldade, outras sequer passamos perto. 
E quantas vezes, quando não conseguimos o que queremos, sentimo-nos criaturas desprivilegiadas, sem sorte, esquecidas. 

Mas qual a graça de ter tudo? Que graça teria constatar: "não tenho mais o que buscar" ? Não ter tudo não é o que nos faz dormir e acordar sonhando? Não ter tudo não é o que nos faz continuar desejando e lutando? Então, será que não ter tudo não é uma das maiores riquezas que possuímos? 

25.2.13


Não gosto de pessoas frias. Pessoas cujos olhos nunca brilham de alegria, cujos lábios nunca se transformam em risinho de felicidade incontida. 

Não gosto daqueles que nunca têm uma história apaixonante para contar, que nunca se emocionam com nada nem ninguém. 

Não gosto dos que são incapazes de sentir a dor física ou emocional de seu semelhante, dos que não têm sensibilidade para entender que o animal irracional também sofre. 

Não gosto daqueles que estão sempre prontos para criticar ou zombar, daqueles que se orgulham de sua própria ironia, arrogância ou indeferença. 

No fundo, não é que eu não goste - eu tenho pena.