19.1.12

Da Serenidade

Pés descalços, acariciados pela areia úmida. Coração leve, flutuando no peito como pena desprendida do corpo de um pássaro. Cabelos dançando na suavidade da música entoada pela brisa trazida pelas ondas. Rosto afagado pelos fios felizes. Caminha lado a lado com o mar: confidente e testemunha desse momento. Sente-se tranquila. Nada de amargura ou remorso; sem pendências ou inquietações. Serena, faz uma reflexão breve sobre a vida. Nem tudo é alegria, tampouco tristeza. Somados os momentos bons e ruins, conclui que é preciso apreciar a doçura das pétalas, sem esquecer que os espinhos fazem parte da estrutura dessa flor chamada vida. O sol começa a se esconder por trás da linha do infinito, onde o céu encontra-se com o oceano. Sente-se irrigada pela umidade da areia que seus pés absorvem. E, descalça, despida de qualquer preocupação, caminha.

12.1.12

Muito Obrigada

Agradeço os muitos sentimentos que despertou em mim:

carinho - admiração - amizade - amor - tristeza - mágoa 

E, por fim, o que anula todos os outros:

indiferença

Muito obrigada.

9.1.12

Apenas Desejo

Sentir seu abraço mesmo quando a distância for grande entre nós.
O calor do seu corpo em dias frios e chuvosos.
Sentir o perfume da sua pele só de ouvir tua voz.
.
Contrair os músculos da face e abrir o sorriso mais gostoso, 
toda vez que encontrá-lo na bagunça dos meus pensamentos maliciosos. 
O arrepio da cervical à pélvica, o frio na barriga ao beijar-me o pescoço. 

A suavidade das palavras, o tom de voz aconchegante. 
A cumplicidade na dor, o sonho compartilhado. 
Compreensão quando eu estiver calada.
Abundância nos gestos de carinho, serenidade.
Que não faça do dia a dia um palco, vitrine ou palanque.
Que não nos condene às excentricidades, tampouco às obviedades.


Mesmo que eu não tenha penteado os cabelos ou calçado os pés, 
aos teus olhos, desejo ser perfeita - menina e mulher.

Silêncio quando não tiver palavras, olhos que desnudem a alma
os que acariciem o corpo, o ego; beijos de tirar o fôlego. 
Apenas desejo que você seja meu porto.
.\
Tranquilidade e deleite. Toda delícia, malícia, inocência. 
Sentir-me insubstituível, apesar dos defeitos que habitam minha essência.
.
Rir até doer, te amar com todo o meu ser.
Rodar em seus braços, me perder em você. 
Talvez seja sonho, romantismo demais, 
mas se não der pra ser assim, 
pode deixar, eu mesma cuido de mim.

5.1.12

E Trate de Ser Feliz

saia por aquela porta
(a mesma por onde entrou)

e dobre a próxima esquina
(aquela que evitou)

aperte o passo
(desvie do caminho pelo qual chegou)

se faltar coragem, corra
(lembre que há mares que ainda não navegou)

não deixe que dúvidas se instalem
(já não sai água de fonte que secou)

adeus, meu bem, adeus
(e trate de ser feliz)


Adieu (Et Tâche d'Être Heureux) by Cathialine Andria on Grooveshark