15.2.12

Confessionário



Confessei ao mar meus desejos, revelei meus segredos, contei o que almejo.
Brinquei com a areia entre os dedos, tracei linhas e planos, inclui neles teu nome.
Como quem chega de viagem, cheio de novidade e põe no chão a bagagem, desatei a falar.
Contei que minha alma tinha sede e que eu desejava o deleite de poder saciar.
Disse com liberdade, repleta de coragem, tudo o que tive vontade. 
Confessei-me ao mar.

12 comentários:

Rui Pascoal disse...

E ele absolveu-te...
:)

Sentimental ♥ disse...

e o melhor é q ele levou seus segredos pra bem longe...

Laís Pâmela disse...

E com certeza ele carregou sua confissão pra longe. Esta segura, eu sei.

Bwijo.

Suzana Martins disse...

Confessei-me ao mar que dentro de mim havia uma saudade de sair correndo pelas areias escrevendo no vento com as gotas de maresia que a brisa soprava...

beijos linda

#Queen disse...

Ao menos ele te escuta neh...
*-*

Rebecca Leão disse...

Tem horas que a única atitude que se pode ter é cair de boca na vida! Voilá!

Liza Leal disse...

E ele te ouviu... Como toda obra magnífica do Universo, sabe ouvir.
Tbm quero fazer isso.
=/

bjim

Mel. disse...

que o mar diga amém aos seus sonhos!!! lindo texto!!!

Antonio Machado disse...

Pura poesia!
Poesia de cristal!
Um abraço

Sabrina Davanzo disse...

Lindo, lindo, Sandra! <3

Fernanda Curcio e Leonardo Macedo disse...

O mar não só ouve, como entrega nos lábios da areia os desejos sonhados de quem a fizer repousar.Fernanda

Guilherme disse...

O mar acolhe todas as promessas e mágoas que nele deixam, e os leva todos para depois do horizonte. Onde o que pesa, afunda, e o que é leve, sublima!