27.5.11

Escombros


Dentro de mim, a tristeza dorme e amanhece num ciclo vicioso, doentio. Fez morada em meu coração. Tomou posse dos meus dias e resolveu que vai acompanhar-me, sendo bem-vinda ou não. Pirraça. Faz questão de atormentar-me com sua presença gélida e sádica. Convivo com esse nó na garganta, essa pedra no sapato. Desconforto. Vida de cão. Força, eu me cobro o tempo todo. Levanta essa drogadessacabeça e siga. Prossiga. Mas os dias têm sido longos e cruéis. Sinto-me como um tijolo, um pedaço de parede, uma pedra qualquer. Assim, perdida nos escombros de uma velha construção em ruína. Desabada. Demolida.

"O fato é que eu estou uma bagunça por dentro e por fora"
|Clarice Lispector|

23.5.11

Maior

Eu sofria em excesso, chorava desolada, descabelava-me a cada decepção, sentia-me angustiada e ficava inconformada.

Esperava demais das pessoas, das situações e de mim mesma. Acreditava no amor perfeito, na sinceridade alheia e na felicidade plena, a despeito de qualquer problema.  

Com o passar do tempo, fui aprendendo que não vivo num mundo de faz-de-conta e que esperando menos, decepciono-me menos, doo menos.

E é apanhando da vida, que a surra dói cada vez menos. Vamos ficando calejados, sem vergonhas até, eu diria.

Peço a Deus que não permita que eu me torne insensível, fria, indiferente. Quero continuar amando, observando, admirando e emocionando-me. Quero as lágrimas em minha face, mas chega de chorar por aquilo que não devo, de chorar por coisas que não foram porque simplesmente N Ã O T I N H A M Q U E S E R.

Hoje, quando meu peito aperta, respiro fundo. Deixo algumas lágrimas cairem - aquelas mais pesadas, impossíveis de serem contidas - e engulo as menores. Tento enxergar além do que os meus olhos humanos e falhos conseguem ver. E repito incessantemente para mim mesma, como que para fixar: sou maior, sou maior, sou maior que ela. Sou muito maior que a dor.

19.5.11

Resgate

E Deus, em Sua suprema e imaculada majestade, lá de cima me assiste. Assiste minha luta e conhece todos os meus medos, dores e frustrações.

Ele sabe que sinto-me à deriva, perdida, sozinha. Mas, conhecendo minhas limitações, não ficará por muito tempo inerte  e - antes mesmo que eu engula o segundo trago do mar em fúria - estenderá Sua poderosa mão e me resgatará dos tentáculos em que fui envolvida durante o trajeto até aqui.

E é acreditando nesse Ser Maior e em Seu infinito amor, que me apego à esperança de ver o muro ao meu redor caindo e o sol nascendo no horizonte, trazendo-me de volta a alegria de viver.

Um pouco mais de tempo e tudo será como um sonho ruim de uma noite mal dormida, que passou... passou... passou.