27.12.10

Perplexidade

Então eu parei. E diante de mim mesma não disse nada. Não pronunciei uma única palavra. Apenas me olhei. De cima a baixo. E senti uma tristeza gigante, daquelas que fazem as pernas fraquejarem. Quis chorar, mas achei que nem das lágrimas eu era digna. Então fechei os olhos e virei as costas. Porque tem dias que olhar para a realidade dói. Porque tem dias que fugir de nós mesmos é um ato de coragem.

21.12.10

Partidas Dobradas

Em  contabilidade, no  secular "Método das Partidas Dobradas", a  regra é  a  seguinte: não há débito sem crédito correspondente.

Acredito que na vida da gente acontece algo parecido, e nessa fase do ano, assim como nas empresas, nos pegamos fazendo o balanço dos últimos 300 e tantos dias que se passaram. 

Pensamos no  que ganhamos, no quanto perdemos. A gente vê que  para cada acontecimento positivo, houve algo desencorajador caminhando  ao  lado:  dúvida, insegurança,  desânimo. Situações  negativas à primeira vista, mas que depois de tudo contabilizado, dos débitos e  créditos lançados,  concluimos  que  não  acumulamos tantos prejuízos assim. Mesmo perdendo algumas vezes, viver sempre será lucro.

Mais um ano chega ao fim. Fecham-se os livros, faz-se o balanço, apuram-se os resultados. Logo estaremos de volta, portando páginas em branco, prontos para o desafio do novo exercício que está por vir.

15.12.10

Faire Attention



Não permita que a fúria louca, causada por  uma insignificância qualquer, torne seus mais preciosos cristais em meros cacos.

O cristal é tão frágil, tão delicado, que é impossível colá-lo após a quebra. E mesmo que fosse possível, "os remendos pegam mal" - já cantava Guilherme Arantes.

2.12.10

Altos e Baixos

A vida é como uma roda gigante, diz o dito popular. Ora tocamos as asas dos pássaros ou até mesmo as dos anjos, ora tocamos o fundo do poço ou o mais profundo do mar.


E assim, vamos levando. Sorrindo e chorando. Intercalando dores e prazeres. Colecionando flores e espinhos. Numa roda de emoções, com seus altos e baixos. Tecendo dia após dia, uma história chamada vida.

1.12.10

As Pontes de Madison

Um dos filmes mais sensíveis que já vi. Está na lista dos meus favoritos e sempre que o assunto é cinema, vem à minha mente.

Um amor intenso, com fortes indícios de que poderia dar certo, mas Francesca Johnson (personagem de Meryl Streep) teve medo de arriscar. Preferiu o infortúnio de uma vida infeliz, ao lado de um homem que há muito não amava mais. Ficou com ele até o fim, mas passou o resto da vida pensando e escrevendo um diário sobre o outro. Morreu triste, obviamente.

Vai entender...

Só sei que foi assim. E eu chorei.





Título original: The Bridges Of Madison County
Direção: Clint Eastwood
Gênero: Drama
Com: Clint Eastwood & Meryl Streep
USA - 1995




"Nunca deixei de pensar nele, nem por um momento. Ainda quando não se achava em minha mente consciente, o sentia em alguma parte, estava sempre ali."

"Vem comigo! Essa certeza a gente só tem uma vez na vida."

"Algumas pessoas passam a vida toda e não sentem o que nós sentimos, outras nem sabem que isso existe."

"Quando penso em por que fotografo, a única razão que me vem à mente é que passei minha vida tentando chegar aqui. Tenho a impressão de que tudo o que fiz até hoje, foi para chegar até você."