6.5.10

Baseado em Fatos Reais

Por algum tempo corri de seus encantos. Não queria olhar no fundo dos  teus olhos e me ver refletida neles. Resisti até onde pude, lutei com todas as minhas forças, mas não fui forte o suficiente. Você foi melhor que eu, mais determinado - não deixou que meus argumentos o convencessem. Foi uma luta desigual. Perdi.

Lembro do primeiro beijo: eu mal correspondi. Estava nervosa, totalmente atordoada. Saí do carro cega, tropeçando em meus próprios pés. Naquela noite, assisti as aulas com a cabeça nas nuvens. Sentia a pressão de seus lábios contra os meus. O calor do seu abraço me acompanhou por horas. Tive medo porque, embora não devesse, eu estava gostando de tudo aquilo. Sua mensagem no celular: "me perdoe", foi apenas um pretexto para se fazer presente, eu sei. Apaguei a mensagem, querendo apagar o episódio.

Foi assim que tudo começou.

O dia seguinte chegou e depois muitos outros. O beijo tímido passou a ser sem reservas. A paixão que nunca deveria ter sido despertada, manifestou-se com toda ânsia. Tomados pela emoção, fizemo-nos vítimas de nós mesmos. Reféns de um amor avassalador. E proibido.


Fugimos de tudo e de todos por oito dias, e fomos viver nosso amor em clima de lua de mel. Ríamos como crianças e brigávamos como tal. Na medida do possível, éramos inseparáveis. Cometemos quase todas as loucuras que um casal apaixonado pode cometer. Quando tomada por lampejos de  lucidez, eu colocava um ponto final na relação. Mas bastava um telefonema e meus planos iam por água abaixo (e eu me odiava por isso).

Nosso amor sempre foi insano. Não pudemos sustentá-lo. Tivemos que nos separar. Jurei seguir meu caminho, manter firme meu propósito de  não olhar para trás. Chega, eu repetia pra mim mesma. Ficamos mais de um mês sem nos ver, mas não deixamos de nos falar um dia sequer. A saudade machucava os dois lados. Sabíamos que não daria certo, mas voltamos a nos encontrar. E o amor que nunca morreu, despertou de um breve cochilo.

Essa história é assim: repleta de risos e lágrimas. Sabemos que não podemos levá-la adiante, que precisamos parar de brincar de faz de conta e tomar uma decisão definitiva.

Da parte dele, o ata. Da minha, o desata.

26 comentários:

grazy1 disse...

a mia a ultima frase não e assim, e assim.
" Da Parte dele ata. Da minha ata também ... kkkkk bjks te amo

Bia Prado disse...

Lindo!
Não tem como atar dos dois lados?
Mesmo?
A vida é tão curta...
E se o amor é tão forte!

lu disse...

Amélie já pensou em escrever um livro ??? Demorôoo,menina...Vc escreve mto mto bem e já sou fã!rs
Lindo texto...aliás os textos!
bjos ,até :D

Camila Chaves, disse...

Lindo texto.. isso que é paixão!!!
beijos

LUZIA disse...

Lindo texto.. que amor mais lindo!!
Uma pena ter terminado assim.
Beijos

Glória Müller disse...

Minha amiga, se o seu amor for uma pessoa digna, de caráter, sincero,
respeitador, nem vingativo e nem cruel, merecedor, do seu amor, e realmente você gosta dele,,,...
então, ate-se camaleoa!
Pois hoje em dia cada vez menos vemos pessoas assim.
Bjo
Glória

sarah disse...

Mas as lembranças permaneceram né?
é o que basta para nossa vida,
um dia após o outro, lembrando de coisa que realmente nos fizeram bem pelo menos naquele momento !

parabéns pelo blog,
ele é lindo!

Valéria disse...

Que linda história, me deu até vontade de me apaixonar de novo.

BeijooO'

Majoli disse...

Desata não Amélie, ate-se a este amor...nossa fiquei suspirando aqui, é uma história de amor, ao meu ver, tão linda.

É proibida? Não!
Quando se ama, nada é proibido, a vida é tão curta, passa tão rápido, perca essa chance não minha querida.

Emocionada com sua história.

Beijos neste coração apaixonado.

MCI disse...

E quem nunca descobriu no proibido o verdadeiro motivo pra viver?
Obrigado pela visita ao meu blogue.
O seu também é ótimo.
Um grande abraço, Amélie.
E um beijo, claro.

Lila disse...

Menina Amélie...lembra-se daquela pessoa que te disse que sempre SERÁ e ESTARÁ? ...pois então, foi um amor proibido e pior, além mar, mas, mesmo assim, vivemos o que tínhamos pra viver...acalme seu coração e deixe que a vida aja...mesmo qdo achamos que a vida nos maltrata, ela se faz coerente.
Acredite.
bjkas iluminadas.

Sentimental ♥ disse...

e o q falta pra decisão?
bjs

Mario Gioto disse...

ahh bonita, que bom ter sua visita ^^
um carinho para ti

Carlos Augusto Matos disse...

É tudo muito complicado viver um grande amor, e perde-lo... Temos que ser fortes e passar por cima da dor...

Bjuxxxx

Paulo Braccini disse...

na vida para não se perder o nosso momento temos que tomar decisões ... esperando o que eim? eim?

bjux

;-)

Me disse...

Sou pelo amor, sempre!
Fico torcendo pelo laço...rsss
Te abraço Amélie! :)

Juci Barros disse...

O ata precisa do desata. Está quase perfeito, se chegar à perfeição a história chega ao ponto final.
Beijos.

Grafite disse...

lindo :D

beiijo

... disse...

Le temps détruit tout

Chá das Cinco disse...

O tempo cura tudo.
O que é nosso nos abraça sem hora marcada e sem segredos.
O universo quer saber quando o amor se faz.
Boa decisão menina.
O que é teu estará por vir.
Sorte!
Te desejo um grande amor de verdade.
Desculpa ok?
Gemária Sampaio

Hosana Lemos disse...

engraçado, descreveste exatamente o que eu passo agora...incrível!
lindo, adorei mesmo

Ivan disse...

Putz, sou tão pragmático para essas coisas de amor...





A não ser quando estou apaixonado. Hahaha

Boa história, tensa. Gostei.

Beijinho.

Ivan.

Martini Bianco disse...

Olá Amelie. Bela história. Só um reparo. Talvez voces já não consigam idealizar um outro tipo de relação, que não dessa maneira. Gostariam de ter outro tipo de relacionamento? Eu creio que não, mas é só a minha opinião ;)

Tais Luso disse...

O mais difícil na vida é tomar decisões!
Prefiro dar tempo e seguir o bom senso que, de uma hora pra outra pode virar. Mas como ninguém sabe muito o que aconteceu, fica o dito pelo não dito...

Gostei da história, prende do começo ao fim.
Obrigada pelas visitas aos meus blogs, gostei muito.Também vou lhe seguir e estarei sempre por aqui.

beijão
Tais Luso

Ângelo disse...

Primeiro, primeira visita ao Blog e adorei.

Segundo, posso contar uma historinha?

Se você ler o meu blog entenderá...

Eu amo uma mulher que não poderia amar. Amo sem poder, pois a que eu posso, infelizmente não amo mais. (espero que tenha entendido e, se bem compreendi, seu amor é proibido por motivos parecidos com os meus)

Pois bem, estou vivendo este amor lindo, como nunca vivi antes. Voltei a ser poeta, voltei a escrever, me interessar pela vida por conta da companhia da Ana.

Pois então, o que posso dizer sobre amores proibidos? São possíveis. São plausíveis, desde que os dois queiram amar na mesma intensidade, com a mesma força e a mesma vontade.

Não é fácil, mas possível. Estou providenciando o fim da proibição do meu amor, com uma carta de alforria plena para viver minha vida. Sugerir que resolvam da mesma forma? Não. Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é e viver como vive.

Cada um sabe onde aperta o calo, sendo mais claro.

Viva o amor, por mais proibido que seja. Páre de tentar desatar. Você não quer fazer isso.

JT.

Louise Souza disse...

Adorei, muito lindo o texto. Se tu escrevesses um livro com certeza eu compraria!

Beijos